No dia 12 de Março é comemorado o Dia do Bibliotecário. A data foi instituída em 1980 e lembra o dia do nascimento do bibliotecário, escritor e poeta Manuel Bastos Tigre, considerado o primeiro bibliotecário concursado do Brasil. Dentre as diversas funções de um bibliotecário, como organizar, catalogar e categorizar documentos, está ainda o incentivo à leitura, portanto esse é um profissional essencial para a educação.

Hoje, trazemos uma pequena entrevista com Laiana Sousa, que é bibliotecária, doutoranda em Ciência da Informação e consultora do Ventos do Saber.

Como você decidiu sem bibliotecária?

Bem, naquela época de escolha no vestibular eu já tinha as minhas preferências. E essas preferências giravam muito em torno das específicas que a gente falava na época, quais disciplinas que você mais se identificava. Então as minhas escolhas eram pautadas nessa primeira ideia e as humanas sempre foram meu ponto principal. Durante uma feira das profissões, uma pessoa veio falar sobre Biblioteconomia, que era a Fernanda (bibliotecária) e a partir da fala dela me acendeu uma luz. Pensei ‘Nossa, que interessante, envolve leitura, educação, uma série de coisas que eu posso me identificar’. Eu já tinha um elo muito forte com educação, com a pedagogia, eram as minhas primeiras opções, mas quando conheci a biblioteconomia eu decidi arriscar. Eu gostei muito, me identifiquei logo de cara, no primeiro semestre do curso eu já estava bem integrada à biblioteconomia.

O que considera mais importante na atuação de um bibliotecário?

Dizer é o que mais importante é algo muito, vamos assim dizer, até frágil, porque eu poderia dizer que seria isso, mas na verdade não é porque vai depender muito do contexto, muito do espaço em que aquele bibliotecário está atuando. O que a gente precisa ter em mente é a missão desse curso que, para mim, é trabalhar em formação de diversas maneiras, buscar trabalhar essa informação para disponibilizar ela para a sociedade. Então esse tratamento informacional que a gente chama, que passa por todo um processo de organização, armazenamento e disseminação, falando de uma maneira bem clássica, é o ideal da biblioteconomia. Só que para isso a gente precisa conhecer o contexto, precisa conhecer as necessidades informacionais daquele público que vai ser atendido, por isso que a biblioteconomia tem uma vertente muito social, que traz a responsabilidade social do bibliotecário de compreender a necessidade do seu trabalho para aquela comunidade específica ou ,se pensar no nível mais macro, é contribuir para que o acesso à informação se torne algo menos complexo, menos excludente e que proporcione as pessoas o crescimento como cidadão, como profissional, como pessoas comuns que necessitam conhecer para poder tomar suas decisões, para poder seguir na sua vida. Essa responsabilidade social ela é muito necessária, é muito cara à biblioteconomia dentro desse parâmetro. Então o mais importante no trabalho de bibliotecário é ter consciência desse senso social e saber direcionar da melhor maneira possível, sempre pensando no seu usuário final, sempre pensando de maneira macro.

Que dica daria para quem quer ingressar na profissão?

A biblioteconomia é uma área muito interdisciplinar, então você vai se ver mergulhado em possibilidades de atuação. Você vai ver uma possibilidade que é mais tecnológica, você vai ver uma possibilidade que é mais técnica, mais operacional, você vai ver a possibilidade de trabalhar com comunicação, com liderança, com empreendedorismo, ou você vai ver o lado mas direto da biblioteconomia que é atuar nas bibliotecas, que é algo muito por alto também porque existem diversos tipos de bibliotecas, e aí, dependendo de onde é essa biblioteca, qual é a missão desta biblioteca, qual é o objetivo final dessa biblioteca, vai mudar bastante a atuação desse profissional. Então a minha dica é conhecer o universo, não fechar portas, sempre estar aberto para novidades, buscar ter durante a graduação acesso a todas essas possibilidades de atuação do bibliotecário, porque só aí você vai ter noção de onde você quer atuar. E muito mais do que isso são as experiências. Você vai ter condições de constituir parâmetros para que você avalie se a sua atuação tá realmente atendendo ao que a biblioteconomia espera. Então a dica que eu eu trago para vocês de quem vai estudar e que vai entrar para profissão é inicialmente pensar em abrir espaço para isso, porque só através disso você vai pensar numa atuação profissional, buscando conhecer outras possibilidades de atuação. E aí vem esse processo decisório e que é de identificação também.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *